JORNAL TRIBUNA DISTRITAL    

Independente, Sério e Investigativo.                                                     

    

                                    

   

A COROA DE ESPINHOS EM JESUS

Quando o assunto é morte de Jesus, muitas são as teorias e as teses e, apesar disso, poucas trazem esclarecimentos determinantes sobre a verdadeira causa da morte do Mestre da Humanidade. Até mesmo os espinhos utilizados na coroa são motivos de controvérsias entre os estudiosos.Para alguns botânicos, os espinhos usados para trançar a coroa de Jesus eram da planta conhecida como Espinheiro-de-Cristo Sírio - Rhamnus spinachristi.

 

Outros, no entanto, defendem outras versões: Espinhos da Acácia (os judeus e os egípcios acreditam que essa planta simboliza a imortalidade), Gundelia, Mojave, Espinheiro-da-Virgínia . Apesar da divergência, Frederick Zugibe, médico-legista, autor do livro A Crucificação de Jesus, afirma que os espinhos eram duros, rentes e afiados e podem ter sido trançados em forma de boné, pois esta forma de trançar teria permitido que uma quantidade maior de espinhos perfurasse o topo da cabeça, a fronte, a parte traseira e as laterais.

Marcos, assim descreve o momento da coroação: “Vestiram-no de púrpura e puseram-lhe na cabeça uma coroa de espinhos que haviam tecido”. Como consequência da perfuração dos espinhos na cabeça e, devido à grande quantidade de vasos sanguíneos no couro cabeludo, o sangue jorrava livremente pela face. Mateus relata que, após a coroação de Jesus com a coroa de espinhos, os soldados batiam-lhe com a cana sobre a cabeça. “E, cuspindo nele, tiraram-lhe a cana e batiam-lhe com ela na cabeça”.

Os golpes desferidos na cabeça ou na coroa de espinhos de Jesus irritavam os nervos e ativaram zonas nos lábios, do lado do nariz, ou no rosto, causando dores terríveis, similar a uma queimadura ou choque elétrico.

Essa dor, segundo ele, podia ser interrompida abruptamente, mas era reiniciada com o menor movimento. Jesus já estava muito debilitado: s¬uou sangue no Jardim do Getsêmani, foi espancado brutalmente na casa de Caifás e na sala da prisão e perdia sangue com a coroa de espinhos. A essa altura, acredita o médico, Jesus estava fraco, zonzo, pálido, com falta de ar, surtos intermitentes de transpiração; mal se sustentando em pé. Apesar de todo esse castigo, Jesus ainda enfrentaria o pior de todos eles: A crucificação. Coube a Pilatos a decretação e a pronúncia da sentença final irrevogável: tu deves ir para a cruz (íbis ad crucem).